Pular para o conte√ļdo

Indulgências plenárias

  • por

As ora√ß√Ķes do povo e as gra√ßas da trindade recolhidas por Maria e enviadas √†s almas do Purgat√≥rio

As indulgências plenárias removem toda a culpa ou dívida pendente de uma alma no purgatório ou se é aplicada a uma de todas as dívidas até que seja recebida.

Deve-se lembrar que, para obter indulg√™ncia plen√°ria, √© necess√°ria a execu√ß√£o da obra enriquecida com indulg√™ncia e o cumprimento das tr√™s condi√ß√Ķes a seguir: confiss√£o sacramental, comunh√£o eucar√≠stica e ora√ß√£o pelas inten√ß√Ķes do pont√≠fice romano.

Exige ainda que toda a afeição pelo pecado, mesmo venial, seja excluída.

Se o trabalho enriquecido com a indulgência plenária for capaz de ser dividido em partes (por exemplo, o Rosário Mariano Рque é rezado em partes, dividido em dezenas), quem, por uma causa razoável, não realizar o trabalho completo, poderá vencer, por a parte que você executou, indulgência parcial.

Você só pode ganhar uma indulgência plenária por dia, exceto no caso de risco de vida.

Mas lembre-se de que o sacrifício da massa é superior a tudo, incluindo as indulgências, para que uma massa nunca tenha uma indulgência, porque já está completa por si só para o sacrifício completo de Cristo nela. Portanto, se você tiver que escolher, escolha a Missa primeiro.

Fa√ßa o download do aplicativo Liberando Almas Do Purgat√≥rio, que o ajudar√°, juntamente com outras ora√ß√Ķes, aconselhando os hor√°rios e dias para lucrar-las.

Indulgências que podem ser conquistadas todos os dias do ano

  • a adora√ß√£o do Sant√≠ssimo Sacramento por pelo menos meia hora.
  • o piedoso exerc√≠cio da Via Crucis.
  • a ora√ß√£o do Ros√°rio Mariano ou do hino Akh√°tistos em uma igreja ou orat√≥rio, ou em fam√≠lia, em uma comunidade religiosa, em uma associa√ß√£o religiosa e, em geral, sempre que v√°rios fi√©is se re√ļnem para um bom fim.
  • a leitura piedosa da Sagrada Escritura por pelo menos meia hora.

Se, por uma causa razoável, o cristão fiel não puder ler, a indulgência será concedida, conforme indicado, se o texto da Sagrada Escritura for lido por outra pessoa ou for ouvido através de um dispositivo de áudio ou vídeo.

Para ganhar a indulgência plenária, determina-se o seguinte:

  1. O piedoso exerc√≠cio deve-se realizar diante elas esta√ß√Ķes da via-sacra, legitimamente eretas.
  2. Requerem-se catorze cruzes para erigir a via-sacra; junto com as cruzes, costuma-se colocar outras tantas imagens ou quadros que representam as esta√ß√Ķes de Jerusal√©m. (Estes quadros n√£o s√£o obrigat√≥rios mas sim las cruzes).
  3. Conforme o costume mais comum, o piedoso exerc√≠cio consta de catorze leituras devotas, a que se acrescentam algumas ora√ß√Ķes vocais. Requer-se piedosa medita√ß√£o s√≥ da Paix√£o e Morte do Senhor, sem ser necess√°ria a considera√ß√£o do mist√©rio de cada esta√ß√£o.
  4. Exige-se o movimento de uma para a outra esta√ß√£o. Mas se a via-sacra se faz publicamente e n√£o se pode fazer o movimento de todos os presentes ordenadamente, basta que o dirigente se mova para cada uma das esta√ß√Ķes, enquanto os outros ficam em seus lugares.
  5. Os legitimamente impedidos poderão ganhar a indulgência com uma piedosa leitura e meditação da Paixão e Morte do Senhor ao menos por algum tempo, por exemplo, um quarto de hora.
  6. Assemelham-se ao piedoso exerc√≠cio da via-sacra, tamb√©m quanto √† aquisi√ß√£o da indulg√™ncia, outros piedosos exerc√≠cios, aprovados pela competente autoridade: neles se far√° mem√≥ria da Paix√£o e Morte do Senhor, determinando tamb√©m catorze esta√ß√Ķes.

Com relação ao Rosário, a indulgência plenária é concedida ao cristão fiel que

  1. Se o Ros√°rio se recitar na igreja ou orat√≥rio ou em fam√≠lia, na comunidade religiosa ou em piedosa associa√ß√£o; parcial, em outras circunst√Ęncias.
  2. Participa devotamente da ora√ß√£o realizada pelo Supremo Pont√≠fice e transmitida por r√°dio ou televis√£o. Em rela√ß√£o √† indulg√™ncia plen√°ria, √© estabelecido o seguinte: a) A ora√ß√£o de apenas um quarto do Ros√°rio √© suficiente; mas as cinco dezenas devem-se recitar juntas b) Piedosa medita√ß√£o deve acompanhar a ora√ß√£o vocal. c) Na recita√ß√£o p√ļblica, devem-se anunciar os mist√©rios, conforme o costume aprovado do lugar; na recita√ß√£o privada, basta que o fiel ajunte a medita√ß√£o dos mist√©rios √† ora√ß√£o vocal.

Ato de reparação Solenidade do Sagrado Coração de Jesus

Concede-se indulg√™ncia plen√°ria se o ato se recitar publicamente na solenidade do Sagrado Cora√ß√£o de Jesus. Dulc√≠ssimo Jesus, cuja infinita caridade para com os homens √© por eles t√£o ingratamente correspondida com esquecimentos, friezas e desprezos, eis-nos aqui prostrados na vossa presen√ßa, para vos desagravarmos, com especiais homenagens, da insensibilidade t√£o insensata e das nefandas inj√ļrias com que √©, de toda a parte, alvejado o vosso amoros√≠ssimo Cora√ß√£o.

Reconhecendo, porém, com a mais profunda dor, que também nós, mais de uma vez, cometemos as mesmas indignidades, para nós, em primeiro lugar, imploramos a vossa misericórdia, prontos a expiar não só as próprias culpas, senão também as daqueles que, errando longe do caminho da salvação, ou se obstinam na sua infidelidade, não vos querendo como pastor e guia, ou, conculcando as promessas do batismo, sacudiram o suavíssimo jugo da vossa santa lei.

De todos estes t√£o deplor√°veis crimes, Senhor, queremos n√≥s hoje desagravar-vos, mas, particularmente, da licen√ßa elos costumes e imod√©stias do vestido, de tantos la√ßos de corrup√ß√£o armados √† inoc√™ncia, da viola√ß√£o dos dias santificados, das execrandas blasf√™mias contra v√≥s e vossos Santos, dos insultos ao vosso Vig√°rio e a todo o vosso Clero, do desprezo e das horrendas e sacr√≠legas profana√ß√Ķes do Sacramento do divino amor, e, enfim, dos atentados e rebeldias das na√ß√Ķes contra os direitos e o magist√©rio da vossa Igreja.

Oh! se pud√©ssemos lavar, com o pr√≥prio sangue, tantas iniq√ľidades!

Entretanto, para reparar a honra divina ultrajada, vos oferecemos, juntamente com os merecimentos da Virgem Mãe, de todos os Santos e almas. piedosas, aquela infinita satisfação, que vós oferecestes ao Eterno Pai sobre a cruz, e que não cessais de renovar, todos os dias, sobre nossos altares.

Ajudai-nos, Senhor, com o aux√≠lio da vossa gra√ßa, para que possamos, como √© nosso firme prop√≥sito, com a viveza da f√©, com a pureza dos costumes, com a fiel observ√Ęncia da lei e caridade evang√©licas, reparar todos os pecados cometidos por n√≥s e por nosso pr√≥ximo, impedir, por todos os meios, novas inj√ļrias de vossa divina Majestade e atrair ao vosso servi√ßo o maior n√ļmero de almas poss√≠veis.

Recebei, √≥ benign√≠ssimo Jesus, pelas m√£os de Maria sant√≠ssima reparadora, a espont√Ęnea homenagem deste nosso desagravo, e concedei-nos a grande gra√ßa de perseverarmos constantes, at√© √† morte, no fiel cumprimento dos nossos deveres e no vosso santo servi√ßo, para que possamos chegar todos √† p√°tria bem-aventurada, onde v√≥s com o Pai e o Esp√≠rito Santo viveis e reinais ,Deus, por todos os s√©culos dos s√©culos. Am√©m.

Ato de consagração do gênero humano a Jesus Cristo Rei

Concede-se indulgência parcial ao fiel que recitar piedosamente este ato, e plenária quando se recitar publicamente na solenidade de Jesus Cristo Rei.

Dulcíssimo Jesus, Redentor do gênero humano, lançai sobre nós que humildemente estamos prostrados na vossa presença, os vossos olhares. Nós somos e queremos ser vossos; e a fim de podermos viver mais intimamente unidos a vós, cada um de nós se consagra, espontaneamente, neste dia, ao vosso sacratíssimo Coração.

Muitos há que nunca vos conheceram; muitos, desprezando os vossos mandamentos, vos renegaram. Benigníssimo Jesus, tende piedade de uns e de outros e trazei-os todos ao vosso Sagrado Coração.

Senhor, sede rei não somente dos fiéis, que nunca de vós se afastaram, mas também dos filhos pródigos, que vos abandonaram; fazei que estes tornem, quanto antes, à casa paterna, para não perecerem de miséria e de fome.

Sede rei dos que vivem iludidos no erro, ou separados de vós pela discórdia; trazei-os ao porto da verdade e à unidade da fé, a fim de que, em breve, haja um só rebanho e um só pastor.

Senhor, conservai incólume a vossa Igreja, e dai-lhe uma liberdade segura e sem peias; concedei ordem e paz a todos os povos; fazei que, de um pólo a outro do mundo ressoe uma só voz: louvado seja o coração divino, que nos trouxe a salvação; honra e glória a ele, por todos os séculos. Amém.

Bênção papal na Páscoa e Natividade do Senhor

Ganha indulgência plenária o fiel que recebe com piedade e devoção a bênção dada pelo Sumo Pontífice a Roma e ao mundo, ainda que a bênção se receba por rádio ou televisão. (bênção que é concedida somente nos dois dias mais sagrados do ano: Páscoa e Natividade do Senhor)

hino “T√£o sublime sacramento” (Tantum ergo) na quinta-feira santa

Concede-se indulg√™ncia parcial ao fiel que recitar com piedade estas ora√ß√Ķes. A indulg√™ncia ser√° plen√°ria na quinta-feira da semana santa depois da missa da Ceia do Senhor, e na a√ß√£o lit√ļrgica da solenidade do Sant√≠ssimo Corpo e Sangue de Cristo.

T√£o sublime sacramento
vamos todos adorar,
pois um Novo testamento
vem o antigo suplantar!
Seja a fé nosso argumento
se o sentido nos faltar.
Ao eterno Pai cantemos
e a Jesus, o Salvador,
igual honra tributemos,
ao Espírito de amor.
Nossos hinos cantaremos,
chegue ao céus nosso louvor.
Amém.

V/. Do céu lhes deste o pão,
R/. Que contém todo o sabor.

Oremos: Senhor Jesus Cristo, neste admirável Sacramento, nos deixastes o memorial da vossa Paixão. Dai-nos venerar com tão grande amor o mistério do vosso corpo e do vosso sangue, que possamos colher continuamente os frutos da vossa redenção. Vós que viveis e reinais para sempre.
solene procissão eucarística na solenidade do corpo e sangue de Cristo A indulgência plenária é concedida ao cristão fiel que participa piedosamente da solene procissão eucarística, particularmente importante, na solenidade do Corpo e Sangue de Cristo, se esta procissão ocorre dentro do templo ou é realizada no exterior; (Quinta-feira, dia da solenidade ou domingo seguinte, para a qual é transferida em muitos países).

orar “Eis-me aqui, √≥ bom e dulc√≠ssimo Jesus” na sexta-feira quaresmal e sexta-feira santa

Concede-se indulgência plenária, nas sextas-feiras da Quaresma, ao fiel que recitar piedosamente esta oração, diante de uma imagem de Jesus crucificado, depois da comunhão; e indulgência parcial nos outros dias do ano.

Eis-me aqui, √≥ bom e dulc√≠ssimo Jesus! De joelhos me prostro em vossa presen√ßa e vos suplico com todo o fervor de minha alma que vos digneis gravar no meu cora√ß√£o os mais vivos sentimentos de f√©, esperan√ßa e caridade, verdadeiro arrependimento de meus pecados e firme prop√≥sito ele emenda, enquanto vou considerando com vivo afeto e dor as vossas cinco chagas, tendo diante dos olhos aquilo que o profeta Davi j√° nos fazia dizer, √ď bom Jesus: “Transpassaram minhas m√£os e meus p√©s e contaram todos os meus ossos”.

Comemoração da Paixão e Morte do Senhor (Sexta-feira Santa)

A indulgência plenária é concedida ao cristão fiel que:

  1. A Sexta-feira Santa da Paix√£o e Morte do Senhor assiste piedosamente √† adora√ß√£o da cruz na solene a√ß√£o lit√ļrgica. (Somente dentro da estrutura da referida celebra√ß√£o).
  2. pratique o piedoso exercício da Via Crucis ou junte-se ao praticado piedosamente pelo Sumo Pontífice (no Coliseu Romano) e que é transmitido pelo rádio ou pela televisão.

Hino Veni Creator no primeiro dia do ano ou Pentecostes

Concede-se indulg√™ncia parcial ao fiel que recitar devotamente o hino Veni Creator (√ď vinde, Esp√≠rito Criador). A indulg√™ncia ser√° plen√°ria no dia primeiro de janeiro e na solenidade de Pentecostes, se o hino se recitar publicamente.

√ď, vinde Esp√≠rito Criador,
as nossas almas visitai
e enchei os nossos cora√ß√Ķes
com vossos dons celestiais.

Vós sois chamado o Intercessor
do Deus excelso o dom sem par,
a fonte viva, o fogo, o amor,
a unção divina e salutar.

Sois doador dos sete dons,
e sais poder na m√£o do Pai,
por ele prometido a nós,
por nós seus feitos proclamai.

A nossa mente iluminai,
os cora√ß√Ķes enchei de amor,
nossa fraqueza encorajai,
qual força eterna e protetor.

Nosso inimigo repeli,
e concede i-nos vossa paz;
se pela graça nos guiais,
o mal deixamos para tr√°s.

Ao Pai e ao Filho Salvador
por vós possamos conhecer.
Que procedeis do seu amor
fazei-nos sempre firmes crer. Amém.

hino Te Deum, no √ļltimo dia do ano

Concede-se indulg√™ncia parcial ao fiel que recitar o hino Te Deum (A v√≥s, √≥ Deus) em a√ß√£o de gra√ßas, e ser√° plen√°ria, quando recitado em p√ļblico no √ļltimo dia do ano.

A vós, ó Deus, louvamos,
a vós, Senhor, cantamos.
A vós, eterno Pai,
adora toda a terra.

A vós cantam os anjos,
os céus e seus poderes:
Sois Santo, Santo,
Santo, Senhor, Deus do universo!

Proclamam céus e terra
a vossa imensa glória.
A vós celebra o coro
glorioso dos Apóstolos.

Vos louva dos Profetas
a nobre multid√£o
e o luminoso exército
dos vossos santos m√°rtires.

A vós por toda a terra
proclama a Santa Igreja,
ó Pai onipotente,
de imensa majestade.

E adora juntamente
o vosso Filho √önico,
Deus vivo e verdadeiro,
e ao vosso Santo Espírito.

√ď Cristo, Rei da gl√≥ria,
do Pai eterno Filho,
nascestes duma Virgem,
a fim de nos salvar.

Sofrendo vós a morte,
da morte triunfastes,
abrindo aos que têm fé
dos céus o reino eterno.

Sentastes à direita
de Deus, do Pai na glória.
Nós cremos que de novo
vireis como juiz.

Portanto, vos pedimos:
salvai os vossos servos,
que vós, Senhor, remistes
com sangue precioso.

Fazei-nos ser contados,
Senhor, vos suplicamos,
em meio a vossos santos
na vossa eterna glória.

(A parte que segue pode ser omitida, se for oportuno.)

Salvai o vosso povo.
Senhor, abençoai-o.
Regei-nos e guardai-nos
até a vida eterna.

Senhor, em cada dia,
fiéis, vos bendizemos,
louvamos vosso nome
agora e pelos séculos.

Dignai-vos, neste dia,
guardar-nos do pecado.
Senhor, tende piedade
de nós, que a vós clamamos.

Que desça sobre nós,
Senhor, a vossa graça,
porque em vós pusemos
a nossa confiança.

Fazei que eu, para sempre,
n√£o seja envergonhado:
Em vós, Senhor, confio,
sois vós minha esperança!

Renove as promessas do batismo na Vigília da Páscoa ou no aniversário do batismo

Concede-se indulgência parcial ao fiel que renovar as promessas do batismo em qualquer fórmula de uso; e ganhará indulgência plenária, se o fizer na celebração da Vigília Pascal ou no aniversário de seu batismo.

Para os fiéis defuntos

A indulgência plenária é concedida, aplicável apenas às Almas do Purgatório, ao cristão fiel que:

  1. Ao fiel que visitar devotamente um cemitério e rezar, mesmo em espírito, pelos defuntos, concede-se indulgência aplicável somente às almas do purgatório. Esta indulgência será plenária, cada dia, de 1 a 8 de novembro; nos outros dias do ano será parcial.
  2. Concede-se indulg√™ncia plen√°ria, aplic√°vel somente √†s almas do purgat√≥rio, aos fi√©is que no dia da comemora√ß√£o de todos os fi√©is defuntos visitarem piedosamente uma igreja ou orat√≥rio. Esta indulg√™ncia poder√° alcan√ßar-se no dia marcado ou, com consentimento do ordin√°rio, no domingo antecedente ou subseq√ľente ou na solenidade de Todos os Santos. Se recitam a ora√ß√£o dominical e o s√≠mbolo dos ap√≥stolos: Pai-nosso e Creio.

Visita aos lugares sagrados

A indulgência plenária é concedida ao cristão fiel que visita, e ora em oração ali o Pai Nosso e o Credo:

uma das quatro basílicas patriarcais de Roma (São João de Latrão, São Pedro, Santa Maria la Mayor, São Paulo Fora dos Muros), seja parte de uma peregrinação coletiva, expressa pelo menos durante a visita o carinho da obediência filial a o Papa;

uma basílica menor:

a) na solenidade dos apóstolos Pedro e Paulo,

b) na solenidade do titular,

c) em 2 de agosto, em que coincide a indulg√™ncia do Porci√ļncula,

d) uma vez por ano, no dia escolhido pelo fiel crist√£o;

na igreja catedral:

a) na solenidade dos apóstolos Pedro e Paulo, em 29 de junho.

b) na solenidade do titular (da referida catedral).

c) na celebra√ß√£o lit√ļrgica da presid√™ncia de S√£o Pedro, ap√≥stolo, em 22 de fevereiro.

d) na dedicação da archbasilica do Santo Salvador (que é a de São João de Latrão, Catedral do Bispo de Roma, em 9 de novembro).

e) em 2 de agosto, em que coincide a indulg√™ncia do Porci√ļncula;

santuário constituído pela autoridade competente, internacional, nacional ou diocesana,

a) na solenidade do titular,

b) uma vez por ano, no dia escolhido pelo fiel crist√£o,

c) toda vez que você participa de uma peregrinação coletiva que ocorre no santuário;

a igreja paroquial:

a) na solenidade do titular,

b) em 2 de agosto, em que coincide a indulg√™ncia do Porci√ļncula;

uma igreja ou um altar no mesmo dia de dedicação;

uma igreja ou oratório de um Instituto religioso ou de uma Sociedade de vida apostólica, no dia de seu santo fundador.

Festa da Misericórdia (Segundo Domingo de Páscoa)

a indulg√™ncia plen√°ria √© concedida, com as condi√ß√Ķes usuais (confiss√£o sacramental, comunh√£o eucar√≠stica e ora√ß√£o pelas inten√ß√Ķes do Papa) aos fi√©is que participam de atos de piedade realizados em homenagem √† Divina Miseric√≥rdia.

“Ou pelo menos ore, na presen√ßa do Sant√≠ssimo Sacramento da Eucaristia, exposto publicamente ou preservado no Tabern√°culo, a Ora√ß√£o do Senhor e o Credo, acrescentando uma invoca√ß√£o piedosa ao misericordioso Jesus (por exemplo, \’Jesus misericordioso, eu confio em voc√™\’) ‚ÄĚ, Diz o texto do decreto.

Da mesma forma, a indulg√™ncia parcial √© concedida “aos fi√©is que, pelo menos com um cora√ß√£o contrito, elevam uma das invoca√ß√Ķes piedosas legitimamente aprovadas ao Senhor Jesus”.

Tamb√©m os doentes e as pessoas que os assistem, os navegadores, os afetados pela guerra, as vicissitudes pol√≠ticas ou a inclina√ß√£o dos lugares ‚Äúe todos os que por justa causa n√£o podem sair de casa ou realizar uma atividade que n√£o pode ser adiada em benef√≠cio da comunidade. comunidade, eles podem obter indulg√™ncia plen√°ria. ‚ÄĚ

Isto √© previsto que, com total rejei√ß√£o de qualquer pecado e com a inten√ß√£o de cumprir, tanto quanto poss√≠vel, as tr√™s condi√ß√Ķes usuais rezam ‚Äúdiante de uma imagem piedosa de nosso misericordioso Senhor Jesus, a ora√ß√£o do Senhor e o Credo, acrescentando uma invoca√ß√£o piedosa ao misericordioso Senhor Jesus. ‚ÄĚ

Da mesma forma, se o mencionado acima n√£o p√īde ser feito, a indulg√™ncia plen√°ria pode ser obtida ‚Äúaqueles que se unem com a inten√ß√£o √†queles que normalmente realizam o trabalho prescrito para a indulg√™ncia e oferecem uma ora√ß√£o a Deus e sofrimentos misericordiosos de sua doen√ßa e da inconveni√™ncia de sua vida, tendo tamb√©m o objetivo de cumprir, tanto quanto poss√≠vel, as tr√™s condi√ß√Ķes prescritas para se beneficiar da indulg√™ncia plen√°ria ‚ÄĚ.

Indulgência na hora da morte

O sacerdote que administra os sacramentos ao fiel em perigo de vida n√£o deixe de lhe comunicar a b√™n√ß√£o apost√≥lica com a indulg√™ncia plen√°ria. Se n√£o houver sacerdote, a Igreja, m√£e compassiva, concede benignamente a mesma indulg√™ncia ao crist√£o bem disposto para ganh√°-la na hora da morte, se durante a vida habitualmente tiver recitado para isso algumas ora√ß√Ķes. Para alcan√ßar esta indulg√™ncia plen√°ria louvavelmente se rezam tais ora√ß√Ķes fazendo uso de um crucifixo ou de uma simples cruz.

A condi√ß√£o de ele habitualmente ter recitado algumas ora√ß√Ķes supre as tr√™s condi√ß√Ķes requeridas para ganhar a indulg√™ncia plen√°ria.

A mesma indulgência plenária em artigo de morte, pode ganhá-la o fiel que no mesmo dia já tenha ganho outra indulgência plenária.

Fa√ßa o download do aplicativo Liberando Almas Do Purgat√≥rio, que o ajudar√°, juntamente com outras ora√ß√Ķes, aconselhando os hor√°rios e dias para lucrar-las.

De volta

Deixe um coment√°rio

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *