Liberando Almas Do Purgatório

Quando morremos, temos dois destinos após nosso julgamento em particular: céu ou inferno. No entanto, como nada impuro pode estar na presença de Deus, há um passo de purificação para aquelas almas destinadas ao céu, mas que ainda têm dívidas pendentes.

Liberando Almas Do Purgatório

De onde vêm essas ofensas que não mereceram o inferno e por que, se Cristo nos purificou com Seu sangue e Sua paixão, ainda há alguma ofensa. Cristo não nos purifica perfeitamente?

A resposta é SIM, Cristo nos purifica perfeitamente, mas nos purifica do pecado contra Deus, ou seja, contra ofensas contra Deus, mas ainda temos ofensas contra os homens, ou seja, somente os ofendidos podem nos perdoar e se não nos perdoam em quem cometemos erros. A vida, apesar de não merecer o inferno, a justiça infinita de Deus não pode deixá-la passar e devemos pagar por esse mal.

E há um segundo elemento a ser limpo: é preciso ter em mente que, para que o perdão de Deus seja eficaz, é preciso se arrepender da ofensa cometida.

Existem pequenas ofensas a Deus das quais não nos arrependemos, nem sequer consideramos ofensas, a Igreja os chama de pecados veniais, um pecado venial não é grave o suficiente para condená-lo ao inferno, mas o fato de não se arrepender significa que não foi. lavada por Cristo e, portanto, é uma mancha que carregamos depois que morremos, para que, mesmo que o destino seja o céu, seja purificado.

A terceira mancha que carregamos tem a ver com arrependimento, existe o arrependimento perfeito chamado contrição. Mas se nosso arrependimento não é perfeito, se levamos a sério, não reparamos a ofensa, é outra mancha que devemos purificar.

Enquanto estamos na Terra, é o tempo da graça, ou seja, temos a oportunidade de reparar, expiar, reconciliar e fazer méritos, mas, uma vez morto, é o tempo da justiça, você não pode mais pedir perdão, resta apenas purificar-se de dor e sofrimento.

Liberando almas do purgatório

Se você perguntar às almas do purgatório que poderiam aliviá-las, a resposta é nós.

Nós, que ainda estamos na Terra e no tempo da graça, podemos não apenas liquidar nossas dívidas, mas também pagar as dívidas daqueles que se purificam no Purgatório.

Por isso, podemos orar e fazer sacrifícios e realizar as obras que as animas que estão no purgatório deveriam ter feito para pagar suas dívidas:

A missa
Indulgências
O Rosário das Almas no Purgatório
Coroa de 100 Réquiens
Caminho da Cruz para as Almas no Purgatório
Terço da Divina Misericórdia
As Horas da Paixão
Orações pelas Almas no Purgatório
O ano de São José

Faça o download do aplicativo Liberando Almas Do Purgatório do Google Play para ter essas orações ou orar no seu celular ou telefone celular sem precisar estar conectado à Internet ou carregar um livro com a vantagem de alertá-lo com alarme no dia em que você pode lucrar uma indulgência plenária.

Você também pode entrar na LOJA

Heróico ato de caridade

As orações do povo e as graças da trindade recolhidas por Maria e enviadas às almas do Purgatório

Toda boa obra que fazemos no estado de graça tem um valor triplo: possui poder meritório, imperativo e satisfatório. O valor meritório de nossas boas obras indica sua capacidade de obter um aumento no mérito, que é um direito à recompensa celestial. Portanto, todo bom presente vence quem realiza um aumento na glória celestial. Nossos méritos são incomunicáveis: não podemos transmiti-los a outros.

Os imperativos e satisfações, por outro lado, se aplicam a outros. O valor imperativo de nossos bons dons indica seu poder de obter um pouco de Sua graça de Deus. Como em qualquer oração, podemos oferecer nossos imperativos para os outros. Da mesma forma, o valor satisfatório de nossas boas obras, que é o poder que elas possuem para expiar o castigo temporal devido ao pecado, pode ser aplicado às almas no purgatório, ou pode ser usado para nosso próprio benefício.

Sufrágio é uma palavra usada para incluir imperações e satisfações: o valor duplo de nossas boas ações que pode ser aplicado a outras pessoas. As almas do purgatório não podem orar por si mesmas ou obter indulgências, não podem comparecer à missa ou receber os sacramentos. Eles não podem deixar de sofrer a expiação do castigo temporal devido a seus pecados. Através de nossos sufrágios, podemos aliviá-los de seus sofrimentos e satisfazer seus pecados. A caridade cristã nos inspira, como membros da Igreja militante, a fazer tudo o que podemos por esses nossos irmãos na Igreja expurgadora.

O ato heróico das almas abençoadas no purgatório é precisamente a doação total às almas do purgatório de tudo o que podemos dar para aliviá-las e, se possível, libertá-las. Tanto os atos da vida como as orações e sufrágios dirigidos a nós em nossa morte.

Embora a decisão de quem aplicar uma possa ser deixada para a Virgem Maria, possa direcioná-las para um certo grupo de preferências. No entanto, deixá-los nas mãos da mãe de Deus é uma garantia de que serão melhor utilizados.

Fórmula do ato heróico

Ó Santíssima e adorável Trindade, desejando cooperar na libertação das almas no purgatório, e testemunhar minha devoção à Bem-aventurada Virgem Maria, cedo e renuncio em favor dessas almas santas toda a parte satisfatória de minhas obras e todos os sufrágios. para que me sejam dados depois da minha morte, e eu os confio inteiramente nas mãos da Santíssima Virgem, para que eu possa aplicá-los como bem entender às almas dos fiéis falecidos que desejam libertá-los de seus sofrimentos. Por favor, Deus, aceite e abençoe esta oferta que eu faço para você neste momento. Amém.

Esta fórmula não é uma votação, portanto, pode-se renunciar voluntariamente à entrega e tirar proveito dela por si mesmo, nem a fórmula é obrigatória, apenas a vontade de fazê-lo é suficiente.

Objeções a essa devoção

Todas as objeções levantadas contra essa devoção giram em torno do medo de que, ao executá-la, a salvação da alma seja posta em risco. Certos cristãos de bom coração temem que, devido a essa perfeita renúncia, fiquem sem a ajuda necessária para a salvação. Eles também temem que, tendo sacrificado todos os seus sofrimentos, sejam condenados à morte no purgatório por tempo indeterminado, talvez até o fim do mundo.

O padre Mumford, como o padre Shouppe o cita no purgatório, fala de cristãos que fazem essa doação total de todos os frutos de suas boas obras que estão à sua disposição em favor das almas pobres. Ele diz: “Eu não acho que eles possam usá-los melhor, uma vez que os tornam mais meritórios e mais eficazes, tanto para obter a graça divina quanto para expiar seus próprios pecados e reduzir sua permanência no purgatório, ou mesmo para obter total expiação de seus pecados. eles ”(pp. 206-7).

Por fim, não pensemos que passaremos por um longo e assustador purgatório com essa transferência de nossos sufrágios a favor do falecido. Embora seja verdade que, em essência, essa prática implica uma disposição para enfrentar as terríveis penalidades do purgatório pelo amor ao próximo, é inconcebível que uma alma tão generosa seja abandonada a um longo purgatório. Pensar assim, como diz Saint Louis Marie de Montfort, é pensar indignamente em Jesus e Maria.

Este fato é demonstrado com uma história de Santa Gertrudis contada pelo Pe. Shouppe. A santa, estando na hora da morte e considerando os pecados de sua vida, temia que, tendo feito tanto pelas almas do purgatório, já tivesse esgotado suas satisfações e que sofresse muito no purgatório. Nosso Senhor se dignou aparecer com ela para consolá-la com estas palavras: “A doação generosa que você fez de todas as suas obras para as almas sagradas me agradou singularmente; e para lhe provar isso, declaro que todas as penalidades que você teria que suportar na vida após a morte são perdoadas; além disso, como recompensa por sua generosa caridade, de tal maneira aumentarei o valor dos méritos de suas obras que aumentarão a glória no céu ”(p. 208).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *